O QUE PENSAMOS Fortalecimento, pois somos o elo mais frágil na corrente de crescimento Pós-Covid

1. Que pessoas mais frágeis precisam ser acolhidas, entendidas, preparadas, assistidas com dignidade, fortalecidas sem assistencialismos, nem demagogia, nem hipocrisia. São o elo mais frágil na corrente de desenvolvimento que virá no que estamos considerando a Década da Reabilitação (2022-2032).

2. O nosso trabalho é de acolhida para o fortalecimento. Pretendemos contribuir na formação de profissionais assistivos como consciência da sua função social de empreendedorismo solidário-humanitário que pretende ter valorização e remuneração justa.

3. Trabalharemos com pessoas que se autodeclaram fora do padrão, e sentem-se não reconhecidas nas suas potencialidades. usando Tecnologia Assistiva com bom-senso.

4. Temos a convicção de que para atender bem à pessoa fora do padrão, precisamos entendê-la: adquirir, desenvolver, construir, qualificar, inventar e aprimorar mecanismos e ferramentas práticas e teóricas que possibilitem ajudar e ser ajudado. Ser professor é a forma mais completa, egoísta e inteligente do cérebro aprender a absorver Sabedoria.

5. A Tecnologia Assistiva pode ser usada sob demanda para dar mais autonomia dentro das especificidades de cada necessidade de adaptação. A tecnologia cria independência e, paradoxalmente, causa dependência. Os limites, cada um deve definir para si. Nós damos a orientação que todos precisam para o equilíbrio do uso da tecnologia e todos os recursos disponíveis para tornar a vida da pessoa fora do padrão mais equitativa e, acima de tudo, FELIZ.

Museu da inclusãoMuseu da inclusão


Museu da InclusãoMuseu da Inclusão

 Governo de São PauloGoverno de São Paulo

UA-12170444-1