Amada Música que me diz respeito
 
Guto Maia*
29/11/2017 (Read in English)
 
Como músico e ouvinte, sempre acreditei numa teoria meio esquisita: não existe música ruim!
 
O que existe é: música ""dos outros”!;
 
Tem música que precisa estar mais bêbado pra gostar;
 
Mais drogado, mas esquisito, mais down, mais up, mais porra-louca; Música para lavar louça.
 
Toda música é boa, desde que na hora certa, no local adequado, com pessoas ideais conosco. Senão pode ser um porre. Será?
“Jingle Bells” é uma boa música? “E, Atirei o pau no gato”?
 
 
O que é música boa? Qual a definição ideal? A música que eu não entendo? Que o cara toca com a boca? Com a mão?
 
Com o pé? Música que me faz chorar? Viajar?
 
Por que razão eu gosto de uma música e não gosto da outra? E, por que gosto, e depois deixo de gostar? E aquela que não me deixa dormir, que fica grudada na cabeça? Que inferno, né? Isso é música? Ou, é mecanismo sofisticado de tortura, desenvolvida para me fazer delatar alguma coisa que eu não fiz, e não sei quem fez?
 
A única verdade reconhecida é que ninguém vive sem música. Pelo menos, é quase impossível. O homem cantou antes de falar!!!
 
E cada música tem a cara de quem faz, de quem paga, de quem compra, de quem ouve, de quem gosta ou desgosta.
 
Toda música é boa. Viva a música!
 
Leia mais dessas notas antigas no facebook: https://www.facebook.com/guto.maia/notes/
 

*Guto Maia - José Augusto Maia Baptista

Gestor educacional

 


@musica 

UA-12170444-1